A nova fase da Sweet Craft {e um pouco dos novos produtos também}

Oi Gente!

Como sempre, ando escrevendo muito pouco por aqui… a julgar que meu último post (antes desse, claro) foi na metade de 2015… os motivos disso são os mesmos de sempre: muuuuito trabalho e eu sou uma só. Por isso o blog acaba ficando de lado… mas ainda tenho esperanças de voltar a blogar como antigamente, com ao menos 3 posts por semana (sonho!).

Quem me acompanha no facebook e instagram sabe que em 2015 (em especial no segundo semestre) eu dei uma “surtada” com meu trabalho. Vê-se bem pelo post anterior a este. Eu sentia que precisava de um tempo, já que de uma forma geral, eu estava descontente com uma série de coisas. Então em dezembro de 2015, após ter encerrado as atividades do ano, parei pra refletir a respeito. E, depois de constatar que eu estava enfrentando alguns problemas (uns graves, outros nem tanto), decidi que precisava de uma mudança.
Jamais pensei em deixar de trabalhar por conta ou com artesanato, que é o que eu amo de paixão. Mas eu estava numa ansia de fazer coisas novas e o fato de estar SEMPRE sobrecarregada me impedia de fazer isso. E quem faz tricô vai entender exatamente o que eu direi aqui: é praticamente impossível contratar alguém pra te ajudar na produção, uma vez que cada pessoa tricota de uma maneira e mesmo que sigam uma receita, no final, teremos dois resultados diferentes.

Uma coisa: eu sempre tive paixão por toys… bichinhos e bonequinhas sempre roubaram meu coração, principalmente se estes forem de pano. Eu já havia feito inúmeros cursos a respeito, aprendi a costurar anos atrás principalmente por causa disso, comprei máquina de costura, tecidos e tudo mais… porém, era uma coisa que eu sempre acabava deixando de lado por causa da famosa “falta de tempo”.

Foi aí que eu tive um estalo: porque não mudar completamente o foco do meu trabalho? Porque não dar uma chance pra essa minha vontade, essa minha paixão, que é fazer bichinhos e bonecos de tecido? E foi isso que eu fiz.

Trabalhei um mês e meio com a loja virtual fechada, apenas criando moldes e fazendo as peças piloto que dariam início a esta nova fase. Posso dizer que “ampliei” o público alvo da minha loja, já que agora tenho produtos voltados à maternidade, bebê, criança e também para adultos que gostam de toys artesanais (como eu).
Mesmo mudando o foco, continuo trabalhando com artesanato e com o lúdico, os dois pilares do meu trabalho e que refletem aquilo que eu gosto e sou.

E uns dias atrás, mais precisamente dia 11/02/2016, a loja virtual reabriu com os produtinhos novos. Vamos conhecê-los?

.
.
Naninhas:

naninhas

naninha coruja

As Naninhas são travesseirinhos para bebês ou crianças que gostam de dormir agarradinho a um bichinho fofinho. Elas são chamadas de “objetos transicionais” e sua função é acompanhar o bebê/criança dando suporte emocional, especialmente quando estão longe dos pais. A naninha também está associada à rotina de dormir.

O bacana é que esse modelo de naninha é composta de duas partes separadas: o travesseirinho interno e a capinha dele (ou fronha) que tem a temática de um bichinho. Esse modelo facilita a higienização da peça, já que a fronha pode ser retirada do travesseiro para lavagem.

Nossas naninhas são Unissex, todas podem ser adaptadas para menino ou menina, mudando apenas cores e estampas de acordo com o gosto do cliente.

Você escontra todos os nossos modelos de naninhas e informações para compra AQUI!

.
.
Quadro Bastidor Maternidade:

Quadro Bastidor Maternidade 01

Esses quadrinhos em bastidor podem ser usados de diversas formas: Na porta da maternidade, na porta do quartinho do bebê ou então no interior do quartinho, para decoração.

Quadro Bastidor Maternidade 02

Os quadrinhos em bastidor são personalizados com o nome do bebê, em botões forrados de tecido com as letrinhas do nome.

Assim como as naninhas, os temas dos quadrinhos em bastidor também são unissex, e podem ser adaptados para menino ou menina, com as cores e estampas que o cliente desejar.

Quadro Bastidor Maternidade 03

Você encontra todos os nossos modelos de quadro bastidor maternidade e informações para compra AQUI!

.
.
Baleias:

Baleias

Que criança não ia gostar de brincar com essas baleias fofinhas?
As baleias de tecido podem ser ótimos brinquedos para os pequenos, mas elas também podem ser usadas como decoração. Muitos adultos ficam fascinados por elas <3 São feitas em 2 tamanhos, P e G. Nossas baleias estão a venda AQUI!

.
.
Chubby, a Boneca:

Chubbies 01

Chubby é uma boneca de pano fofinha e bochechuda que pode tanto agradar crianças (como um brinquedo) ou adultos (como decoração… ou como brinquedo também né, porque não? Se você for como eu, certamente brincará com ela!).
Temos 6 opçoes diferentes para as cores de cabelos da Chubby, mas podemos estudar a possibildade de novas cores a pedidos.

Ela é uma boneca da linha Tilda, que não foi nomeada, justamente para que cada artesão que a fizesse, pude-se nomeá-la. Nós batizamos a nossa de “Chubby”, que quer dizer “bochechuda”.

A Chubby acompanha um set de roupinhas: um mini vestido, um bloomer (shortinho) e uma tiara. Os mesmos podem ser feitos nas cores e estampas que desejar. E o bacana é que todos esses itens podem ser removidos da boneca, possibilitando um brincar mais divertido e também a confecção de novas roupinhas para a ela. Basta soltar a imaginação!

Chubbies 02

Você encontra a Chubby a venda AQUI!

E aí, gostaram das novidades?
Todos os produtos são feitos sob encomenda (consulte prazo de produção nas páginas dos produtos na loja), e personalizados conforme o gosto do cliente.

Ainda tem um mundo de ideias aqui dentro da minha cabeça e, aos poucos, vamos adicionando novos produtos à lojinha.
Não deixem de nos visitar! www.sweetcraft.com.br

Um beijo,
Rê =D

16
fevereiro
2016

Encomendas de itens de boneca ~ Por que não trabalho mais com elas?

Oi Gente!

Antes de mais nada, devo avisar que este post será longo.

Como vocês sabem, trabalho confeccionando itens para bonecas {roupinhas e acessórios em tricot e crochet, itens para dollhouse, etc} a quase 6 anos e a + ou – 4 anos parei de trabalhar com encomenda dos mesmos e passei a vender esses produtos somente através da loja {www.sweetcraft.com.br}, no sistema de produção e venda – ou então como pre-order {como no caso dos blusões de bichinho}.

E mesmo fazendo tanto tempo que não trabalho mais com encomenda desses itens ainda recebo muitas perguntas a respeito, na maioria, algo como “Oi Renata, você não faz esse blusão de boneca por encomenda?” ou “Renata, gostaria de encomendar esse blusãozinho de boneca“. Sempre respondo educadamente que não trabalho desta forma e tento explicar o por quê. A maioria do pessoal entende numa boa, mas existe uma parcela que me xinga por causa disso, a-c-r-e-d-i-t-e.
Vale dizer que não fico brava, chateada ou coisa parecida quando alguém me pergunta a respeito, por favor, não me entendam mal. Mas confesso que fico fula da vida quando alguém se sente no direito de me xingar após receber uma negativa.

Então hoje eu estava pensando a respeito disso e percebi que nunca havia dado uma explicação pública sobre por que parei de fazer encomendas de roupinhas e itens de boneca. Apesar de já ter respondido publicamente alguns questionamentos, acho que nunca consegui ser bastante clara com meus clientes acerca dessa decisão. Daí o motivo desse post.

IMG_4426

~> Então Renata, por que você não aceita encomendas de itens de boneca?

Por vários motivos. Mas vou tentar explicar todos, ok? E não, não estão ordenados por importância. Todos os motivos são importantes e pesaram na minha decisão.

1) Repetitividade.
Sabe quando você cria algo legal, faz uma peça piloto e então publica uma foto? E então aquilo que você mais queria acontece, todo mundo adorou e quer? Isso é ótimo e eu me sinto super valorizada quando acontece, de verdade! Mas quando você tá no barco das encomendas, você recebe uma enxurrada de pedidos iguais. E quando eu falo iguais, são iguais em modelo, cor e detalhes. Mesmo que você sugira, as pessoas tendem a dizer “mas eu gostei mais daquele que você postou primeiro”. E aí você acaba com uma lista de 20, 30 peças iguaizinhas pra fazer… o que se torna super maçante.

2) Cobranças.
Ok, você é artesão, faz produtos MANUAIS, coisas que não ficam prontas em 1 dia. A maioria entende isso, mas, sempre tem os fulaninhos que não. Então vou contar uma historinha para ilustrar:
Fulaninho pede para entrar na lista de encomendas, você aceita e avisa que ele é o número 25 da lista. Mesmo assim, Fulaninho te pede uma “previsão de quando lhe atenderá”, sendo que o tempo de encomenda de cada cliente é único, vide quantidade de peças pedidas. Até aí tudo bem, você explica que talvez – TALVEZ – será em tal data, mas que podem acontecer coisas que façam demorar mais (tipo, você ficar doente, faltar material e outros imprevistos da vida), coisa que parece que esta pessoa entendeu. Porém Fulaninho irá lhe atormentar por semanas, perguntando se já vai chegar a sua vez (apesar de você manter sua lista de encomendas atualizada e pública, podendo ser consultada a qualquer momento por qualquer pessoa). E então finalmente chegou a vez do Fulaninho. Fulaninho pede se “por acaso” você pode fazer 15 peças diversas a mais na encomenda dele “para aproveitar o frete”. Você aceita, mas avisa que irá demorar mais. Mesmo assim essa pessoa te atormenta diariamente querendo saber todo o passo a passo da encomenda, que você já quase responde iniciando com “querido diário…”. No tempo da encomenda, Fulaninho já mudou de ideia umas 20 vezes sobre a cor, comprimento e modelo de suas peças. E quando você termina a encomenda do Fulaninho, sente-se cansado como se estivesse há 5 anos sem férias.
Felizmente a maioria das pessoas que atendi na época das encomendas não era assim, mas peguei uma parcela que me tirou do sério. Infelizmente existem pessoas que acham que porque você assumiu o compromisso de fazer algo por encomenda, você não tem o direito de fazer nada na vida enquanto não quitar tudo. Você não tem o direito de viajar no final de semana, de tirar férias, de dedicar um dia para a família, de passear com seu cachorro, de ir na academia, de adoecer, de ter problemas como todo mundo tem e precisar de um tempinho para resolvê-los. Porque quando você faz isso no meio de uma lista de encomendas, sempre tem um “Fulaninho” pra te apontar e dizer “olha lá, a Renata tá passeando e se divertindo, mas nada da minha encomenda”. Se você acha isso um exagero, é porque você é normal e nunca pressionaria alguém dessa forma. Mas posso te garantir, esses fulaninhos existem!
Ah, só um PS nessa história: Quando eu trabalhava por encomenda, a pessoa só me pagava quando a encomenda estava pronta.

3) Calotes.
Quem aí faz encomenda de itens de boneca e NUNCA levou um calote? Querido, você é um felizardo! Porque quase todo mundo que eu conheço já levou.
Tipo assim: toda a história do fulaninho acima + um plus de que quando você TERMINOU a encomenda dele, a criatura some do mapa! hahahaha. Aí você se vê com 30 peças prontas e super exclusivas, todas do gosto excêntrico do fulaninho e sem 1 dilma no bolso por elas. Alguns dirão “ah, mas bota pra vender que sempre tem quem queira” – não é bem assim. Você até vende umas 5 peças instantaneamente, mas o resto vai ficando e sendo vendido aos pingos – isso quando é vendido… por quê às vezes você “embucha” aquelas peças e depois é obrigado a vender pela metade do preço pra não ficar num preju total. E gente, não tenho dedos suficientes pra contar quantas vezes eu passei por isso. SIM, é triste.

4) Falta de Liberdade.
Um pouco disso já expliquei na parte de cobranças – de você não ter o direito de fazer outras coisas que não as encomendas. E aqui também entra aquela falta de liberdade para criar. Você não tem TEMPO de criar coisas novas, pois a lista de encomendas está enorme. E se resolve ligar o “foda-se” e tirar um dia pra isso, fulaninhos de plantão reclamarão nos seus ouvidos.
Eu sempre tive uma mente muito inquieta, às vezes estou fazendo uma coisa e já estou pensando em outra. Quando chegavam datas comemorativas, como Natal, eu não podia parar tudo pra criar uma coleção Natalina, por exemplo. E, mesmo hoje, que não faço mais encomenda, ainda sinto falta de ter MAIS tempo para conseguir fazer minhas ideias saírem do papel. “More ideas than time”, unfortunatelly.

5) Salário imprevisível e “quebra de previsão de caixa”.
Tá, qualquer pessoa que trabalhe por conta própria tem um salário imprevisível inicialmente, mas no caso da encomenda é muito mais imprevisível. Como eu disse ali em cima, eu recebia somente quando a encomenda estava pronta. Se a pessoa da vez começava a pedir muitas peças, eu levaria o mês todinho numa única encomenda e muitas vezes não recebia a tempo de pagar as minhas contas, já que essas, bem sabemos, não esperam. Aqui também entra a questão dos calotes, de você trabalhar semanas e não receber, a pessoa que encomendou simplesmente sumir da face do universo. Ou quando eu terminava as encomendas no final do mês e as pessoas me diziam que só poderiam me pagar depois do dia 05 do próximo mês, que é quando receberiam, sendo que eu tinha contas que venciam antes disso para pagar. Muitas vezes, quando eu podia segurar, falava que tudo bem, que esperava. Mas quando eu dizia que não podia esperar, ficava mal vista por aquela pessoa, “por que eram só uns dias”, “o que custava esperar”… E olha, não era que eu não entendia o lado da pessoa, eu entendia sim. Mas alguém entendia o meu?

6) Pedidos de cópias.
Gente, se tem algo que eu acho FEIO demais é alguém copiar trabalho de um artesão. As vezes são artesões copiando artesões (piorou!). E nessa questão de cópia tem gente que confunde tudo e generaliza as coisas… Exemplo fictício (com essência real): alguém inventou uma touca de urso para boneca. NÃO significa que ninguém mais poderá fazer touca de urso. Podem existir várias toucas de urso e olha, DEVE existir – diversidade de um mesmo tipo de produto é sempre bom! O feio é a pessoa COPIAR. E quando eu falo copiar é tentar reproduzir a mesma carinha do ursinho e características daquela peça, sem tirar nem pôr. Isso é MUITO chato e infelizmente aqui no BR são poucas as pessoas que entendem o que é obra intelectual, a maioria chega falando “ai, mas é só uma touca” ou o velho “tem lugar pra todo mundo”. Claro que tem lugar pra todos! Pode fazer sua touca de ursinho. Mas INVENTE a sua! Faça com uma carinha diferente, acrescente outras características. A inspiração é livre e não deve ser confundida com plágio.
Muitas vezes essa cópia acontece por conta de pedido de um cliente. Você tem lista de encomendas e aí um cliente seu te envia foto do trabalho de outra pessoa e pede pra você “fazer igual”. As vezes quem pede nem sabe o mal que está fazendo. As vezes ela simplesmente não pode pagar o que o artesão que fez a peça original pede, ou o artesão que faz o original não trabalha por encomenda (tipo eu) e a pessoa não consegue a peça facilmente, ou insira aqui um motivo qualquer. Mesmo assim, nada disso pra mim é desculpa, sorry. Eu já recebi (e recebo até hoje!!!) pedidos de cópias de outros produtos. A resposta? Não faço. Adivinha quem ficou de ruim na história?
Já passei por isso (de ter um produto de minha autoria copiado descaradamente) e olha, não é nada legal. Ainda mais que eu sou uma empresa de 1 pessoa só, então não tenho produção massificada e adivinhem? Isso é o meu ganha-pão, é o que me sustenta e paga as minhas contas.

7) Não conseguir um bom planejamento de compra de material.
Você até TENTA. Mas não rola. Por quê? Por que no dia do pedido a pessoa te pede 5 peças e até chegar a vez dela ela já pediu pra incluir mais 5 e trocou a cor de outras 3. Aí você comprou o material pro pedido mas quando chegou na hora de fazer, faltou alguma coisa, por conta de tantas mudanças. Sem contar que você acaba com material desnecessário e aí reza para que alguém faça pedido de determinada cor, pra você poder usar o que já comprou (geralmente isso NÃO acontece! haha). Se você trabalha com material importado, como eu, a coisa piora ainda mais: a cada pedido de material são 3 meses de espera pra chegar aqui. Se faltar na hora H, ferrou!

8) Instabilidade emocional.
Você soma os 7 anteriores e me diz, como ser uma pessoa bem equilibrada com tanto pepino pra lidar?

~> Ah Renata, mas porque você não cria uma metodologia para as encomendas? Aí seria tranquilo!

Não existe metodologia que agrade todo mundo. Tentei várias e olha, sempre dava problema. Até que um dia eu parei e pensei: Peraí, esse é MEU trabalho! Saí de um trabalho dentro de um escritório porque eu queria ter liberdade para trabalhar, queria fazer o que eu gosto e queria mandar no meu negócio. Mas se isso estava na época, me causando desgosto, não deveria então encontrar uma metodologia de trabalho que ME agradasse? E então encontrei! NÃO ACEITAR MAIS ENCOMENDAS.
E assim, passei a ter a liberdade que eu tanto desejei.

~>Mas Renata, como você trabalha hoje então?

Tenho uma loja! Não conhece? Aqui —-> www.sweetcraft.com.br
Quando tenho uma ideia, sento, rabisco, faço uma peça piloto. Depois, apresento ela “pro mundo” via intagram, facebook, flickr… vejo se teve aceitação do meu público ou não. Se não teve, fica em stand by. Se teve, inicio produção. Faço um tanto de peças, anuncio data e horário do update através das redes sociais para que todos saibam e tenham oportunidade de comprar. Uma vez na loja, as peças são vendidas àqueles que concluírem a compra primeiro, o que significa recebimento imediato das compras feitas com cartão de crédito (uma facilidade que a loja possibilitou!). Aqueles que optaram por depósito bancário ganham um descontinho que é calculado automaticamente no fechamento do pedido e os mesmos têm até 3 dias úteis para efetivar o pagamento, do contrário o pedido é cancelado. Opções de frete e cálculos dos mesmos são feitos automaticamente na loja. A própria plataforma do Iluria cria uma database com lista de clientes, endereços, pedidos, etc., automaticamente. Antes eu tinha que fazer tuuuuuuudo isso manualmente. Esse método me poupou tempo e trabalho desnecessário, além de me proporcionar bem-estar, estabilidade financeira e tranquilidade.
A Sweet Craft hoje é uma loja que vende produtos diversos, não só para boneca. Outra coisa que a vida fora das encomendas me possibilitou.
Os clientes hoje podem acompanhar suas compras pelo sistema da loja, principalmente quando compram produtos vendidos em pre-order (que ainda estão sendo confeccionados), pois através do painel da loja os mesmos podem consultar o andamento e saber quando o pedido foi enviado. Além disso, quem compra, sabe que está adquirindo uma peça bem trabalhada e feita com carinho e cuidado, sem a pressa que muitas vezes uma encomenda exige.

~>Renata, então você nunca mais fará encomendas?

Não digo que nunca. “Nunca diga nunca” hehe. Talvez algum dia, em algum produto específico que exija isso, mas certamente faria de uma maneira muito diferente do modelo anterior. Mas, sinceramente, hoje em dia, não sinto a menor vontade de voltar pro caos de 4 anos atrás.

Espero ter esclarecido as dúvidas =)

Beijo =D

29
junho
2015

~Truffle Hunter~

Já falei que eu AMO hats? Adooooro usar uma touca no inverno, hahaha.

Com o Truffle Hunter foi amor à primeira vista, gente… <3 Truffle Hunter 05

O Truffle é uma receitinha nova da designer Jennifer Dassau. Tanto que o único projeto feito no Ravelry até então era a “peça piloto” dele.

Truffle Hunter 04

São tantos os motivos pelos quais eu me apaixonei por este hat… 1) ele é feito com lã grossa e agulha grossa, ou seja, um tricot beeeem rápido de fazer. 2) ele tem uma construção totalmente diferente de outros hats que trabalhei e por isso dá esse caimento bacana <3. 3) Ele é reversível! Sim, pode usar dos dois lados, eles formam desenhos diferentes... porem eu gostei taaanto do lado "certo" que acabei esquecendo de fazer foto do "avesso" dele... dã. 4) É cinza! Minha cor fav do momento! Tá, podia ser feito em qualquer cor, mas a peça piloto dele, que me encantou, era cinza... e eu tinha sobras da lã cinza do Eternity Scarf então, uni o útil ao agradável e fiz meu Truffle com a mesma lã do Eternity. Truffle Hunter 03

De novo, peço desculpas pelas fotos assim, errr, sem graça. Estamos correndo aqui pra arrumar as malas (viajamos sábado gentem!) e uma produção ficou totalmente fora de cogitação =(

Truffle Hunter 02

A receita custa 5 dólares e pode-se comprar na página da designer no Ravelry. E ó, vale super a pena! Super bem explicada, tem algumas partes complicadinhas sim, mas é por causa da construção diferente do gorro… a receita em si está explicada nos mínimos detalhes. E sim, a receita está em inglês.

Truffle Hunter 01

Ficha Técnica:
Receita: Truffle Hunter by Jennifer Dassau
Agulhas utilizadas: 5.0mm
Fio Utilizado: Ice Yarns Unico – Espessura: Aran 10ply {50% Merino / 25% Alpaca / 25% Acrílico} – Oferecido em novelos de 50gr / 90m {98 yards}.
Cor: Gray {cinza}
Quantidade de fio utilizado para este projeto: 1.3 novelos {65gr – 116.5 metros – 127.4 yards}
Link no Ravelry: http://www.ravelry.com/projects/AtelierSweetCraft/truffle-hunter

10
abril
2015

~Eternity Scarf~

Desde o início deste ano voltei a ter vontade de tricotar “peças de gente grande”. Quando eu comecei com o blog, lá em 2008, era isso que eu tricotava: blusas, cachecóis, gorros, dentre outras peças. A maioria delas, pra mim mesma ou então para presentear alguém próximo.

Como o trabalho (a.k.a blusões de boneca) me toma bastante tempo, não posso mais fazer como antigamente e “tricotar só o que me der na telha”. Porém trabalhar de segunda a segunda só com bonecas e coisas de bonecas já estava me dando nos nervos… então resolvi que, como qualquer pessoa saudável, trabalharei de segunda a sexta (salvo em épocas que necessitar estender prazos) e sábados e domingos farei projetos pessoais, sejam eles de tricot, crochet, pintura, ou enfim, o que realmente me der na telha, como nos velhos tempos <3. Eu estou postando os projetos em andamento no instagram da Sweet Craft (se ainda não tá seguindo, corre lá: @ateliersweetcraft) com as tags: #projetodefinaldesemana #weekendproject #projetopessoal #personalproject. O primeiro que eu finalizei foi o ~Eternity Scarf~:

Eternity Scarf 09

Esse projeto estava no meu Queue do Ravelry há anos! (Aliás, essa foi outra coisa que voltei a fazer: usar o Ravelry. Saudade demais das antigas, gente! Tricoteiras e Crocheteiras que estiverem por aqui, me achem por lá… o link está no final desse post!). E nessas de “qual-projeto-eu-vou-escolher-primeiro”, encasquetei que precisava fazer um Eternity pra mim…

Eternity Scarf 02

Outra coisa que me levou a escolher esse projeto pra fazer “pra ontem” é que no final desta semana eu estou embarcando pra Amsterdam… será uma viagem de + ou – 12 dias e já vi que vai estar bem frio por lá, temperaturas variando de 0°C a 9°C… Apesar de ser primavera lá, essa é a temperatura que estamos acostumados a enfrentar no inverno aqui. Então acho que meu Eternity será bem útil! hehe.

Eternity Scarf 08

Sobre a receita: Ela não é free, tá gente? Quem quiser fazer um, terá que comprá-la. Custa só 7 dólares e está a venda na página da Designer Michelle Wang no Ravelry. Dá pra pagar com cartão de crédito ou paypal. E ó, vale cada centavo. Receita super bem explicada, não tem como se perder. Outra coisa legal é que tem 3 tamanhos de gola na mesma receita! Uma mais justinha no pescoço, uma tamanho médio e uma bem grande {que foi a que escolhi pra fazer}. Fator importante: a receita está em INGLÊS.

Eternity Scarf 03

Sobre o fio que usei: A receita pedia um fio compatível com agulhas 4.5mm, maaaas eu sou exagerada e queria que o meu eternity ficasse bem grandão… então já tinha resolvido usar agulhas 5.5mm no projeto. Eu tinha guardado aqui {também há anos} 8 novelos de um fio bem grossinho da Ice Yarns, chamado “Unico”. Tinha comprado ele pra fazer um blusão pra mim, mas depois vi que ia faltar lã {isso porque cada novelinho tem só 50gr e 90 metros de fio}. E, como cinza é minha mais nova cor favorita, peguei ele para o projeto =D

01 - Ice Yarns Unico {Grey}

Eternity Scarf 05

Receita, fio e agulhas a postos, coloquei 220 pontos na agulha {quantidade de pontos para fazer a gola do maior tamanho da receita} e fui fazendo meu Eternity. Comecei essa gola numa sexta a noite e no domingo a tardinha terminei. Não é um projeto gigante, mas também não é pouca coisa pra tricotar… acho que foram umas 75 carreiras. Achei que fui rápida pro tamanho do projeto =)

Eternity Scarf 04

Depois de pronto, precisei blocar. Tem gente que não bloca projetos que não sejam de lace, mas eu peguei mania e bloco tudo que eu faço. Acho que a peça fica com um caimento infinitamente melhor depois da blocagem.

Eternity Scarf 01

Pra quem não está familiarizado com este processo, blocar é simplesmente deixar a peça de molho em sabão líquido neutro (próprio para fios naturais), enxaguar e depois estender a peça sobre toalhas{ou bases próprias para blocagem}, deixando-a secar totalmente ali. Em alguns casos, como projetos de Lace, é necessário esticar a peça e usar varetas de blocagem e/ou alfinetes. Nesta peça especificamente, eu não usei. Apenas estendi sobre as toalhas {ajeitei bem retinho, claro} e deixei secar. A secagem demorou quase 4 dias, mesmo eu virando a peça de tempos em tempos. Fator importante: Esse método de blocagem só funciona se o fio utilizado tiver mais de 60% de fibras naturais na sua composição.

Eternity Scarf 07

No dia que fizemos as fotos estava um calor from hell aqui… quase 30°C. Por isso que estou usando uma blusa de manga curta… queria ter composto um look pra fazer as fotos e tudo mais… mas né… se eu já estava ~morrendo~ com essa gola de lã no pescoço, imagina se fosse vestir manga longa e botas pra fazer as fotos? Era morte na certa! haha.

Eternity Scarf 06

Ficha Técnica:
Receita: Eternity Scarf, by Michelle Wang
Agulhas utilizadas: 5.5mm {circular de 80cm}
Fio Utilizado: Ice Yarns Unico – Espessura: Aran 10ply {50% Merino / 25% Alpaca / 25% Acrílico} – Oferecido em novelos de 50gr / 90m {98 yards}.
Cor: Gray {cinza}
Quantidade de fio utilizado para este projeto: 4.3 novelos {215gr – 385.3 metros – 421.4 yards}
Link no Ravelry: http://www.ravelry.com/projects/AtelierSweetCraft/eternity-scarf

06
abril
2015